sexta-feira, 1 de janeiro de 2010

O monoteísmo pode ser provado! Deus tem de ser único e não podem existir o politeísmo, vários deuses - FILOSOFIA MONOTEÍSTA

Veja uma argumentação em vídeo:



Deus é "indescartável para a Existência do Universo e de todas as coisas. Se Deus é infinito, e é a causa do universo e de todas as coisas existentes, poderia haver vários deuses? A resposta é NÃO. Por exemplo: Deus existe, e tem de existir, sem limites. Contudo, se Ele não tem limites, não pode haver mais do que um Deus. Se houvesse, teria de existir diferença entre eles, e isso envolveria a não-existência, pois outro Deus não poderia ser o que o primeiro é nem estar onde este estivesse. Em suma, se houvesse mais de um Deus, nenhum deles poderia ser ilimitado com a plenitude da existência. Isso significa que aquilo que chamamos de Deus não seria a resposta derradeira para nossas perguntas a respeito da existência finita. Entretanto, se Deus é a resposta para esta questão, então Ele tem de ser a “plenitude ilimitada da existência”, e não pode ser limitado por outro Deus fora de si próprio.
Portanto, Deus tem de ser um só. Se houvesse muitos deuses, haveria uma verdadeira confusão no universo. Haveria choque de idéias e leis contraditórias.
Deus é todo poderoso e único. Se Ele não fosse poderoso, haveria alguma coisa mais poderosa que Ele e Ele não faria as coisas que fez e seria subalterno a outros deuses.


╬ VOCÊ SABIA? (CURIOSIDADE)


Existem no mundo histórias de vários deuses e deusas, derivadas do politeísmo antigo. Mas uma coisa em comum que todas estas histórias compartilham, é que todas elas falam de um Deus Supremo, maior e mais poderoso entre os demais.
Quando o monoteísmo e o politeísmo são combinados, como no hinduísmo, os muitos deuses são apenas manifestações inferiores, aparentes, projetadas ou mitológicas de um único Deus real e supremo. Por isso, tanto o monoteísmo quanto o politeísmo são chamados de “TEÍSMO”.
Os muitos deuses das religiões antigas (babilônicas, cananitas, gregas, romanas e das antigas religiões da África) eram considerados apenas manifestações inferiores ou mitológicas de um único Deus Real e Supremo. Ainda hoje, no hinduísmo, crê-se em um Deus Supremo e Superior aos demais (deuses menores).


Conclusão:

Deus, como a causa primária, precisa ser Onipotente, Absoluto e auto-sustentável, para não precisar de nenhuma causa anterior a si: mas para isso também, é preciso não haver nenhum outro Deus além dele - é preciso que Deus seja Uno - para que Ele possa ser a Causa Primária de todas as coisas, superior à natureza e distinto dela, esteja na esfera espiritual, para poder criar a ordem natural (pois como as coisas naturais poderiam ter como "causa primária" uma coisa natural?)...

Se houvesse outro Deus além do Criador, Este não seria Onipotente e nem Absoluto, pois teria de dividir seu poder com outro Deus. Um fato curioso é que as mais antigas religiões africanas pareciam indicar a crença em um único Deus Supremo (ver "monoteísmo primitivo"), e também, as religiões politeístas da antiguidade, apesar de seus vários deuses, sempre criam em um Deus Supremo, superior aos demais, cujo poder era incomparável ao dos pequenos deuses e deusas...



“Manual de Apologética e Defesa da Fé”, de Peter Kreeft e Ronald K. Taceli, - Editora Central Gospel - página 540.

Um comentário:

Marcello de Oliveira disse...

Shalom!

Uma alegria conhecer seu ótimo blog. O Eterno resplandeça o rosto Dele sobre ti!

Medite no Sl 36.8,9

Feliz 2010!

Nele, Pr Marcelo

Visite>> http://davarelohim.blogspot.com/

e veja o texto:

Embaixadores da reconciliação